O Programa Centro 2020 ultrapassou os 4500 projetos aprovados! Já experimentou saber quantos foram aprovados no seu concelho?

O Concelho de Leiria continua a ser o que contabiliza mais projetos aprovados (367), seguido do de Coimbra (279) e Aveiro (213).

O financiamento do Centro 2020 chega a 100 concelhos da região Centro. Consulte a lista de projetos aprovados pelo Programa Centro 2020 (dados a 31.10.2018), disponível no site do Centro 2020 http://centro.portugal2020.pt/index.php/projetos-aprovados- que lhe permite fazer uma pesquisa por concelho e por áreas de investimento.

O Programa Centro 2020 aprovou, até 30 de setembro de 2018, 4422 projetos, que correspondem a um investimento de 2234 milhões de euros.


Consulte, no Boletim Mensal de setembro, a evolução da execução financeira do Programa Centro 2020, bem como informação detalhada sobre o investimento municipal, os pactos para o desenvolvimento e coesão territorial, a política de cidades, a territorialização das políticas e o investimento empresarial.

O Boletim Mensal está disponível em https://goo.gl/473AEk

O Programa Centro 2020 aprovou o financiamento de 5,6 milhões de euros para projetos inseridos no Património Mundial da UNESCO da região Centro: Universidade de Coimbra, Convento de Cristo de Tomar, Mosteiro de Alcobaça e Mosteiro da Batalha.

O projeto da Universidade de Coimbra, que conta com financiamento de três milhões de euros, prevê a valorização e recuperação da Sala dos Capelos, do Palácio Real e do Colégio das Artes.

No Pátio das Escolas estão previstos trabalhos de conservação e restauro do edificado, com intervenções nas coberturas e fachadas da Sala dos Capelos e do Paço Real, na iluminação exterior, nos painéis azulejares, no mobiliário fixo, reposteiros e cortinados, bem como intervenção nos Portais de S. Pedro, S. Miguel, Átrio da Capela e Grupos Escultóricos do Largo da Porta Férrea.

Serão ainda reabilitados alguns espaços do Colégio das Artes, onde funciona o Departamento de Arquitetura da Faculdade de Ciências e Tecnologia. Esta intervenção visa o restauro da Galeria e a remodelação parcial da ala norte do piso térreo para Auditório, tendo por objetivo permitir o acesso ao edifício em segurança a um público mais vasto de visitantes. As obras terão lugar entre o início de 2019 e finais de 2020.

Quanto ao segundo projeto, trata-se de uma candidatura submetida pela Direção Geral do Património Cultural que prevê a intervenção física em três ativos patrimoniais UNESCO: Convento de Cristo, Mosteiro de Alcobaça e Mosteiro da Batalha.

Este projeto, que conta com financiamento de 2,6 milhões de euros, prevê intervenções de conservação e restauro do património e a operacionalização dos novos espaços destinados às lojas e portarias. Visa sobretudo a preservação e conservação daqueles valores patrimoniais e a melhoria da atratividade e da qualificação das condições de acolhimento e visitação. As obras deverão estar concluídas a 30 de abril de 2020.

O Centro de Negócios e Serviços Partilhados do Fundão (na categoria “Apoiar a transição industrial inteligente”) e o projeto de Reabilitação do lugar da Vista Alegre (na categoria “Escolha do Público”) venceram os Prémios Regiostars 2018. Os vencedores foram hoje anunciados, em Bruxelas, pela Comissão Europeia, na Cerimónia oficial dos Regiostars, enquadrada na Semana Europeia das Regiões e Cidades.

Os Prémios RegioStars têm como objetivo identificar boas práticas em desenvolvimento regional e destacar projetos originais e inovadores que sejam atrativos e inspiradores para outras regiões.

O Centro de Negócios e Serviços Partilhados foi financiado pelos fundos da União Europeia, através Programa Centro 2020, no valor de 2 milhões de euros. Concebido como motor da estratégia local de inovação e investimento, este projeto permitiu atrair 14 empresas TICE e criar 500 postos de trabalho altamente qualificados numa cidade de cariz rural com menos de 15.000 habitantes. Em quatro anos, o projeto impulsionou um ecossistema integrado que gerou 68 startups e deu suporte a mais de 200 projetos de investimento privado, apostando no R&D, em iniciativas pioneiras de conversão profissional e nas competências digitais.  

O projeto de requalificação e ampliação do Museu da Vista Alegre foi apenas o percursor de toda a requalificação do chamado “Lugar da Vista Alegre”.  Graças a um investimento total na ordem dos 44 milhões de euros, apoiado pelos fundos da União europeia, através do Programas Centro2020 e Compete 2020, implicando a manutenção de 1495 postos de trabalho e a criação de pelo menos 100 novos postos diretos, este projeto fez rejuvenescer o Lugar da Vista Alegre, dando nova vida ao Museu, Capela, Teatro, Recinto, Hotel e Palácio, Creche, Fábrica e Bairro Operário. Este projeto integrado permitiu a preservação de um Património Cultural internacional, salvando a marca da ruína e contribuindo para o aumento do turismo na Região.  

Para Ana Abrunhosa, presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional da Região Centro (CCDRC), “estes dois prémios traduzem bem o caminho que a região Centro tem feito com o apoio dos fundos europeus. A transição para uma indústria/economia inteligente, através do projeto promovido pelo município do Fundão. Este projeto demonstra que com liderança e estratégia podemos contrariar a desertificação dos territórios mais frágeis e torná-los em atrativos para empresas de ponta e para jovens quadros qualificado. Nessa transição a região Centro tem tido o cuidado de preservar o nosso património cultural e industrial, de forma sustentável, com o projeto liderado pelo município de Ílhavo e pela empresa Vista Alegre, do Grupo Visabeira. Deixo também aqui uma palavra de reconhecimento ao trabalho desenvolvido, neste domínio, pela Direção Regional da Cultura do Centro e pela Entidade Regional de Turismo do Centro, atores fundamentais no processo de desenvolvimento da Região Centro”.

Para Paulo Fernandes, presidente da Câmara Municipal do Fundão, “este prémio é simultaneamente uma grande honra e uma enorme responsabilidade. É uma honra, porque o Fundão, um município de baixa densidade da região Centro, vê assim reconhecida no espaço europeu a sua estratégia de desenvolvimento focada na criação de valor, atração de investimento, emprego e inovação, apresentando-se numa Europa que quer promover a coesão como um bom exemplo na aplicação de fundos estruturais com base em critérios de sustentabilidade e impacto na economia local e regional. É igualmente uma enorme responsabilidade porque este reconhecimento nos incentiva a continuar a aposta e o trabalho no desenvolvimento e reforço desta estratégia que articula tradição com inovação, procurando que a comunidade seja cada vez mais o centro do projeto num território aberto ao mundo e às pessoas”.

Paulo Soares, administrador da Vista Alegre, destaca que “é um enorme orgulho para a Vista Alegre receber este prémio e ver distinguido e reconhecido internacionalmente o investimento da Vista Alegre na preservação de um património cultural, social e industrial de quase 200 anos de história. Receber este prémio vem incentivar-nos ainda mais a continuar a desenvolver e afirmar a Vista Alegre enquanto referência cultural e industrial a nível nacional e internacional e com isso honrar o esforço passado e presente de todos os colaboradores em manter viva e com sucesso esta herança. Esta distinção tem importância para o País para a região Centro de Portugal, para o município de Ílhavo e para o futuro da marca Vista Alegre e sua afirmação como marca Portuguesa no Mundo. O envolvimento da CCDR Centro foi fundamental para que estivéssemos hoje aqui a celebrar este prémio, e o trabalho realizado é a prova que as instituições e os apoios quando são bem geridos são uma mais valia para o meio empresarial e a sociedade.”

No âmbito do processo de consulta pública do Programa Nacional de Investimentos (PNI) 2030, a CCDRC acolheu hoje uma sessão com representantes da região para receber contributos para a definição das prioridades estratégicas de investimento em infraestruturas, nos setores da Mobilidade e Transportes, Ação Climática e Energia.

Esta sessão contou com a presença da Secretária de Estado do Ordenamento do Território e da Conservação da Natureza do e Secretário de Estado das Infraestruturas.

Saiba mais em https://www.portugal2030.pt/sobre-pni2030/

No segundo trimestre de 2018, o desemprego atingiu o valor mais baixo dos últimos anos. Já o setor do turismo entrou em contração, infletindo a tendência de crescimento dos últimos trimestres. Estas são algumas das conclusões da edição n.º 39 do “Centro de Portugal – Boletim Trimestral”, publicação que analisa a evolução conjuntural da Região Centro.

No segundo trimestre de 2018, o Produto Interno Bruto registou uma variação homóloga real de 2,3%, resultado do contributo positivo da procura interna e do contributo negativo da procura externa líquida. A taxa de desemprego nacional diminuiu para os 6,7%, sendo este o valor mais baixo dos últimos anos. Já o nível de preços cresceu 1,0%. A confiança dos empresários, bem como a dos consumidores aumentaram face ao trimestre homólogo.

Relativamente à Região Centro, no mercado de trabalho, neste trimestre, continuou a assistir-se a uma redução significativa do desemprego e a um aumento do emprego regional. Também a taxa de atividade e a população ativa cresceram ligeiramente, em termos homólogos, por contraste com a população inativa que continuou a diminuir. Já o salário médio líquido mensal dos trabalhadores por conta de outrem e os custos com o trabalho superaram os do trimestre homólogo.

No setor empresarial da Região Centro, assistiu-se a um aumento das empresas constituídas e das ações de insolvência, face ao mesmo período do ano anterior. Já o peso do crédito vencido no total do crédito concedido continuou a diminuir, atingindo-se, pelo segundo trimestre consecutivo, o valor mais baixo dos últimos cinco anos. Também os empréstimos concedidos às empresas pelo setor financeiro se mantiveram em queda. O setor da construção apresentou uma evolução muito positiva, evidenciada pelos significativos crescimentos homólogos em todos os indicadores regionais de obras licenciadas e concluídas. Destaca-se também a evolução favorável do crédito à habitação vencido.

A atividade turística na Região Centro evidenciou uma retração por comparação com igual período do ano anterior, sentida nos hóspedes, nas dormidas e nos proveitos dos estabelecimentos hoteleiros. Nas relações comerciais da região com o mercado externo, continuou a observar se aumentos homólogos reais nas saídas e nas entradas de bens, tendo, no entanto, o crescimento das entradas sido mais expressivo. Relativamente ao consumo privado regional, quase todos os indicadores apresentaram, neste trimestre, evoluções positivas. A taxa de inflação homóloga regional aumentou 0,9% face ao trimestre homólogo.

No PORTUGAL 2020, a 30 de junho de 2018, estavam aprovados 4,5 mil milhões de euros de fundos europeus para apoiar 6,9 mil milhões de euros de investimento (elegível) na Região Centro. O Fundo Europeu do Desenvolvimento Regional (FEDER) era responsável por 53,0% deste volume de apoios.

Distribuição do fundo europeu aprovado no PORTUGAL 2020, na Região Centro, por fundo financiador (30 de junho de 2018)

Consulte aqui a versão integral do “Centro de Portugal – Boletim Trimestral n.º 39”.

 

Consulte a nova edição do Barómetro do Centro de Portugal, um elemento de monitorização, produzido pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro, que tem como objetivo avaliar o progresso alcançado pela Região Centro em termos de crescimento e competitividade, potencial humano, qualidade de vida, coesão e sustentabilidade ambiental e energética.

O Barómetro do Centro de Portugal contempla um conjunto de 25 indicadores-chave, objeto de permanente atualização, que identificam tendências e lacunas de progresso, permitindo desenvolver eventuais ações corretivas e preventivas.

Consulte  aqui.

Estão abertos o Procedimentos concursais comuns para o preenchimento de quarenta e oito (48) postos de trabalho da carreira de técnico superior (oferta da BEP: OE201809/0196) e quatro (4) da carreira de assistente técnico (oferta da BEP: OE201809/0195), do mapa de pessoal da Agência para o Desenvolvimento e Coesão, I.P., na modalidade de relação jurídica de emprego público por tempo indeterminado, restrito a candidatos abrangidos pelo programa de regularização dos trabalhadores dos fundos comunitários regulado pelo Decreto-Lei nº 34/2018, de 15 de maio.

Todas as informações relativas a este procedimento concursal encontram-se nos respetivos Avisos de abertura (Técnico Superior e Assistente Técnico).

As candidaturas devem ser apresentadas exclusivamente por via eletrónica para o endereço Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar., através de formulário próprio.

Está aberto o concurso para atribuir o Prémio Europeu do Desenvolvimento Sustentável 2018. A Comissão Europeia lançou este Prémio para recompensar os esforços e a criatividade dos cidadãos, das empresas e das organizações.

O seu objetivo é a promoção de iniciativas inspiradoras que contribuam inequivocamente para a Agenda 2030 dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), concentrando-se num tema específico, relacionado com o tema anual escolhido pelo Fórum Político de Alto Nível das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável.

Este ano, o tema do prémio é «Mobilizar as pessoas e assegurar a inclusão e a igualdade». Este tema implica um conjunto de ODS: ODS 4 (Educação de qualidade), ODS 8 (Trabalho digno e crescimento económico), ODS 10 (Reduzir as desigualdades), ODS 13 (Ação climática), ODS 16 (Paz, justiça e instituições eficazes) e ODS 17 (Parcerias para a implementação dos objetivos). As iniciativas candidatas devem respeitar a natureza transversal dos ODS e incidir nas 3 dimensões de desenvolvimento sustentável (ambiental, económica e social).

O concurso está aberto a quatro categorias de participantes: jovens, entidades públicas, entidades privadas e sociedade civil.

Prazo para apresentação de candidaturas no dia 14 de setembro

Mais informações sobre como participar em https://bit.ly/2sH0jEZ.

Consulte a nova edição do Barómetro do Centro de Portugal, um elemento de monitorização, produzido pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro, que tem como objetivo avaliar o progresso alcançado pela Região Centro em termos de crescimento e competitividade, potencial humano, qualidade de vida, coesão e sustentabilidade ambiental e energética.

O Barómetro do Centro de Portugal contempla um conjunto de 25 indicadores-chave, objeto de permanente atualização, que identificam tendências e lacunas de progresso, permitindo desenvolver eventuais ações corretivas e preventivas.

Consulte aqui.